Capa do post

Além da Trincheira: uma experiência em sala de aula

Inúmeras são as possibilidades de se comunicar sobre ciência, e é essencial promover e praticar essa diversidade. Aqui, compartilhamos os desfechos de uma atividade educativa na disciplina de Pedologia, realizada por estudantes dos cursos de Geografia e Geologia do IG-UNICAMP.

por: Diego F. T. Machado


No Instituto de Geociências da UNICAMP, os cursos de Geografia (bacharelado e licenciatura) e Geologia foram criados no ano de 1997 e implementados no ano de 1998, quando receberam suas primeiras turmas, tanto no período diurno quanto no noturno.
A disciplina Pedologia (GF508) é obrigatória para todos estes cursos, tendo atualmente uma demanda básica de 50 alunos no período diurno e 30 alunos no noturno.

O oferecimento da mesma disciplina para os diferentes cursos(inclusive com a situação corriqueira dos alunos dos três cursos na mesma sala) provoca um desafio para o trabalho com os conteúdos, que devem ser tratados para um público com diferentes interesses. Desde o início da disciplina, temos enfrentado esse desafio, e isso tem influenciado os métodos de avaliação. Por isso, no ano de 2023, buscamos encorajar os alunos a demonstrarem os conhecimentos e habilidades adquiridos ao longo do semestre por meio de diferentes formas de comunicação.

Sobre a atividade

A inspiração surgiu, naturalmente, do efervescer das atuais formas de interações digitais, em um momento oportuno em que muito se discute sobrea importância de se extrapolar os limites da academia ao se discutir sobre os avanços científicos. Certamente, o debate é complexo e esses trabalhos não tem por objetivo aprofundar-se neste tema, no entanto é algo que demanda diferentes abordagens que vão além da escrita técnico científica. Nesse sentido, acreditamos ser valioso encorajar os alunos a explorarem diferentes fôrmas de transmitir o conhecimento.

Para tanto, foi orientado aos alunos matriculados na disciplina de Pedologia, que expressassem os conhecimentos adquiridos ao longo do semestre, com base em seus interesses particulares, sua percepção sobre os solos ou ainda sobre as relações que esses estabelecem com o meio.

Resultados obtidos

O material a seguir é um compilado dos resultados obtidos com a realização da atividade. Nos surpreendeu a diversidade de temas e as formas de comunicação apresentadas pelos alunos, aqui separados por: Tópicos em Ciência do Solo/Pedologia (11 trabalhos), Ilustrações (2 trabalhos), Poesia (1 trabalho), Entrevista (1trabalho), Fotos (10 trabalhos) e Panfletos (4 trabalhos).


Boa leitura!


Edição: Diego Fernandes Terra Machado

Arte da Capa: Diego Fernandes Terra Machado


Reunião anual do IGCP 732

Reunião anual do IGCP 732 – LANGUAGE of the Anthropocene (Lessons in anthropogenic impact: a knowledge network of geological signals to unite and assess global evidence of the Anthropocene): um espaço para trocas e aprendizado.

por: Érika C.N. Silva


A temática do Antropoceno tem sido debatida em diversos meios e por diferentes óticas, como já discutido em postagens anteriores nesse blog. Como pesquisadora interessada na temática, e que tem desenvolvido pesquisas referentes a deposições tecnogênicas/antropogênicas nos últimos anos, tive a oportunidade de participar, pelo terceiro ano consecutivo, da reunião científica do IGCP 732 – LANGUAGE of the Anthropocene. Participo das reuniões como colaboradora a convite do Professor Doutor Michael Wagreich, da Universidade de Viena. E neste ano, pela primeira vez, participei de forma presencial da reunião, apresentando trabalho na cidade de Xi’an, na China. Mas o que é um IGCP?

IGCP (International Geoscience Programme), conforme o site da UNESCO [1], é o carro-chefe da entidade referente ao apoio para investigações em geologia e geofísica. Em tradução livre, o IGCP serve como um centro de conhecimento da UNESCO para facilitar a cooperação científica internacional nas geociências, e a missão do IGCP inclui a promoção do uso sustentável dos recursos naturais, avançando em novas iniciativas como a geodiversidade e “geo-heritage”, além da mitigação dos “geohazards risks”. Ainda de acordo com o site, desde 1972 o IGCP estabeleceu uma parceria com a IUGS (União Internacional de Ciências Geológicas) com o intuito de reunir milhares de cientistas da Terra de todo o mundo, permitindo-lhes o benefício do espírito cooperativo gerado sob a égide da UNESCO. Ao todo são cinco temas do Programa, e o IGCP 732 está incluído no tema “Global Change and Evolution of Life – evidence from the geological record” [2].

Um pouco sobre o IGCP 732

O IGCP 732 (LANGUAGE of the Anthropocene) refere-se, como o próprio nome já possibilita interpretar, às discussões em torno da temática do Antropoceno, com a participação de pesquisadores que se dedicam a diferentes aspectos que são abrangidos nos estudos do Antropoceno. O objetivo, conforme consta na página da UNESCO referente a esse IGCP, é o desenvolvimento de ideias e redes acerca do conceito do Antropoceno, através de um ambiente de cooperação global entre cientistas, focando especialmente nos países considerados em desenvolvimento ou menos desenvolvidos. Complementam, ainda, mencionando a união e avaliação de evidências globais do Antropoceno e o estabelecimento desse conceito enquanto estrutura fértil para as geociências, através da elaboração de uma rede global de especialistas e parceiros de projeto, realização de workshops em países considerados em desenvolvimento, e estabelecimento de um banco de dados aberto de informações e conhecimentos acerca do Antropoceno [3].  Este IGCP entrou em vigor em 2021, e estará em plena atividade até 2026, sob a liderança do Prof. Dr. Michael Wagreich, da Universidade de Viena. Tem como Principal Investigators (PIs) as pesquisadoras Doutoras Mehwish Bibi (Paquistão), Barbara Fiałkiewicz-Kozieł (Polônia), Juliana A. Ivar Do Sul (Brasil/Alemanha), Lydia Olaka (Quênia), Catherine Russell (Inglaterra), Maria Luisa Tejada (Filipinas), Luyuan Zhang (China) e Veronika Koukal (pesquisadora e secretária desse IGCP). Além dos PIs, o IGCP conta com a participação de diversos colaboradores, dentre os quais me incluo e, por isso, tenho participado das reuniões anuais com a finalidade de divulgação, a nível internacional, do trabalho que temos desenvolvido no Brasil nos últimos anos (parcerias entre profissionais da UNICAMP, UFR, UNESP e pesquisadores independentes), além das possibilidades de aprendizado de novas abordagens e estabelecimento de redes de cooperação.

Reunião em Xi’an

As principais reuniões relativas ao IGCP ocorrem anualmente, onde todos os participantes têm a oportunidade de apresentar seus trabalhos desenvolvidos na temática, com suas diferentes abordagens e áreas de investigação, como por exemplo análise de dados geoquímicos referentes a diversos tipos de ambientes sedimentares [4]. Esta reunião teve formato híbrido, com participantes em Xi’an e online. Somados à apresentação de trabalhos, sempre há palestrantes convidados, como por exemplo algum pesquisador diretamente envolvido no Anthropocene Working Group (este ano a fala foi proferida por Simon Turner, ocupante do cargo de secretário no AWG), que nos informa sobre o andamento de trabalhos relativos à proposta do Antropoceno enquanto época geológica [5].

Neste ano, no contexto do estágio que estou realizando aqui em Viena [6], tive a possibilidade de participar de forma presencial da reunião realizada em Xi’an, apresentando alguns resultados preliminares que temos alcançado na investigação de deposições antropogênicas/tecnogênicas. Nesta ocasião, focamos nos resultados de análises químicas e físicas e comparamos os resultados entre as deposições e solos na área investigada em Rondonópolis-MT. Foram destacadas, por exemplo, as evidências, em algumas camadas de deposições antropogênicas/tecnogênicas, relativas aos dados de campo e laboratório que sugerem pedogênese, ou seja, formação, mesmo que incipiente, de solo.

O trabalho apresentado, com o título “Comparisons of lab results of anthropogenic formation and “natural” soil: granulometry, sand fractioning and pedological chemical analyses” possui autoria minha, do Prof. Dr. Caio Augusto Marques dos Santos (UFR) e do Prof. Dr. Francisco Sérgio Bernardes Ladeira (UNICAMP). Além da apresentação, assistir presencialmente as apresentações de demais pesquisadores e ter a oportunidade de conversar nos demais momentos de interação, possibilitou que novas ideias surgissem para a continuação das pesquisas que temos desenvolvido no Brasil, além de divulgar possibilidades procedimentais e analíticas que os demais pesquisadores possam vir a utilizar em suas áreas de estudo. A pesquisa é supervisionada pelo Prof. Dr. Francisco Sérgio Bernardes Ladeira, com co-supervisão do Prof. Dr. João Osvaldo Rodrigues Nunes (UNESP), com parceria do Prof. Dr. Caio Augusto Marques dos Santos. Já o estágio em Viena é supervisionado no exterior pelo Prof. Dr. Michael Wagreich (Universidade de Viena).

Os anfitriões na reunião desse ano foram: Institute of Earth Environment da Chinese Academy of Sciences, State Key Laboratory of Loess Science. E os co-anfitriões: IEECAS Group of Youth Innovation Promotion Association CAS, Anthropocene Research Branch da Geological Survey of China, Xi’an Institute for Innovative Earth Environment Research, Shaanxi Association for Science and Technology. A reunião ocorreu na semana do dia 14 de novembro de 2023, no Qujiang Huibinyuan Hotel.

Foto da apresentação em Xi’an (foto enviada por Luyuan Zhang)
Foto oficial da reunião – Fonte: https://news.sciencenet.cn/htmlnews/2023/11/512399.shtm

Os participantes que puderam estar de forma presencial em Xi’an fizeram, no primeiro dia, um passeio cultural que permitiu conhecer um pouco sobre os aspectos históricos dessa importante cidade na China. Esse passeio cultural incluiu conhecer a muralha da cidade e o Exército de Terracota, este último parte integrante do Mausoléu de Qin Shi Huang, fundador do primeiro império unificado da China durante o século III a.C, localizado no sopé norte da montanha Lishan, tendo sido descoberto em 1974 [7]. Conforme nos foi informado durante a visita, os trabalhos de escavações e reconstruções/restaurações continuam até os dias atuais, exigindo esforços de vários profissionais. As imagens a seguir apresentam um pouco do que esse passeio permitiu conhecer.

Outra visita interessante foi no Institute of Earth Environment da Chinese Academy of Sciences, que foram os anfitriões dessa reunião. Nesta ocasião pudemos visitar diferentes laboratórios e conhecer um pouco das diferentes pesquisas que têm sido desenvolvidas, com diferentes abordagens e metodologias, que podem ser relacionadas direta e indiretamente à perspectiva do Antropoceno em termos de mudanças ocasionadas nos diferentes ambientes. As fotos a seguir foram enviadas pela PI responsável por essa reunião na China (Luyuan Zhang), e apresentam registros da nossa visita em alguns dos diferentes laboratórios que conhecemos na instituição.

Último destaque é dado para o trabalho de campo realizado no Geoparque Nacional de Loess em Luochuan. A organização do evento preparou essa investigação de campo com o intuito de nos proporcionar conhecimento sobre esse tipo de formação superficial, denominada de Loess, que tem chamado a atenção dos cientistas no que diz respeito a investigações relativas à geoconservação, estudo de mudanças climáticas, entre outros focos. Em tradução livre do material de apoio preparado pelos anfitriões, a seguinte explicação sobre a área que visitamos é oferecida:

O Geoparque Nacional de Loess em Luochuan é um projeto de conservação ambiental na China que responde ao Programa Global de Geoparques da UNESCO com o objetivo de promoção do desenvolvimento sustentável para a sociedade. A construção do parque serve ao propósito de beneficiar a sociedade, protegendo o ambiente. O Geoparque Nacional de Loess em Luochuan é caracterizado por perfil clássico de Loess e por geomorfologia relativa a Loess. Também preserva fósseis de vertebrados e abundantes informações sobre paleoclima, paleoambiente, paleontologia e outros importantes eventos relativos ao período Quaternário.

Visitamos o geoparque e o museu referente ao geoparque, com diversas explicações sobre a instituição do geoparque e sobre os projetos e pesquisas em andamento, que abarcam simulações e observações referentes aos aspectos climáticos, biológicos (vegetação) e geomorfológicos. Dentre os objetivos estão a simulação da resposta do Loess em decorrência de mudanças de características ambientais, como o clima (intensificação-redução da pluviosidade, por exemplo). As fotografias a seguir são da área visitada. A alternância de cores, ora mais clara e ora mais avermelhada, é atribuída a mudanças ambientais que permitiram o desenvolvimento de solos (hoje paleossolos). As duas últimas fotos foram enviadas por Luyuan Zhang, o restante é do meu acervo pessoal.

A experiência de participação na reunião de forma presencial proporcionou muitos ganhos em termos de conhecimento, tanto durante as apresentações e palestras, quanto nos outros momentos do evento (nas visitas de campo, passeio cultural e visita aos laboratórios). A oportunidade de conhecer um país como a China, com suas culturas e paisagens, também foi muito gratificante, em particular por ser a minha primeira oportunidade de conhecer um país asiático, que recebeu esse grupo de pesquisadores de nacionalidades diversificadas de forma que nos fizeram nos sentir bem-vindos e de portas abertas para possibilidades futuras de pesquisa em parceria.


Para saber mais!


Lista de links

[1] Site oficinal da UNESCO: https://www.unesco.org/en/iggp/igcp

[2] IGCP Projects – Global change and the evolution of life evidence from the geological record: https://www.unesco.org/en/iggp/igcp-projects?hub=67817#global-change-and-the-evolution-of-life

[3] IGCP Project 732 – Language of the Anthropocene: https://www.unesco.org/en/iggp/igcp-projects/732

[4] Para maiores informações sobre essa reunião e as anteriores, consultar o site do IGCP: https://igcp732.univie.ac.at/meetings/

[5] Para maior detalhamento sobre o Anthropocene Working Group, sugiro a leitura de outro texto desse blog (https://www.ige.unicamp.br/pedologia/2023/06/06/antropoceno-epoca-do-quaternario/).

[6] Tanto a pesquisa de pós-doutorado quanto o estágio relativo a ele, em desenvolvimento na Universidade de Viena, possuem apoio da FAPESP: Processo FAPESP no 2019/21885-7; Processo FAPESP no 2023/03963-6. Sem esse financiamento, as pesquisas que temos desenvolvido e a participação presencial em eventos como este não seriam possíveis.

[7] https://whc.unesco.org/en/list/441


Texto: Érika Cristina Nesta Silva

Edição: Diego Fernandes Terra Machado

Arte da Capa: Diego Fernandes Terra Machado


Novo observatório para trazer o “solo das profundezas”

por: Francisco Ladeira.

Ecotron moverá núcleos de 3 metros de solo para o laboratório para experimentos de mudanças climáticas globais


No dia 12 de outubro, a revista Science publicou uma interessante reportagem sobre solos . Trata-se de um projeto em início de desenvolvimento na Universidade de Idaho, denominado Deep Soil Ecotron. A ideia central é trazer, para o laboratório, colunas completas de solo de até 3 metros e aí, sob condições controladas, acompanhar seu desenvolvimento, tanto em suas características bióticas quanto abióticas.

Um Ecotron é um tipo de experimento criado para estudar o impacto do clima nos ecossistemas e nos processos de biodiversidade. Geralmente é composto por várias unidades experimentais idênticas, que permitem a contenção do ecossistema, o controle das condições ambientais e a medição online dos processos ecofisiológicos.

Imagem: Laboratório com esferas ecossistêmicas para pesquisa climática no Parque Nacional Hoge Kempen. Reprodução Universidade de Hasselt

Ecotron CNRS

Os motivos para realizar este acompanhamento são diversos. Parcela significativa dos estudos sobre solos se concentra especialmente em seus primeiros 30 centímetros, pois aí está o principal nível com interesse para o desenvolvimento das diferentes atividades agrícolas. Abaixo disso, o solo é, comparativamente, muito menos conhecido.

O solo, além da sua porção superficial, é crítico para alterações climáticas, para a qualidade da água, manutenção dos ecossistemas e até para a produção mineral. Mas o perfil de solo, como um todo, é incrivelmente difícil de estudar. Escavar uma trincheira sem perturbar sua estrutura e habitantes é praticamente impossível. Quanto mais fundo se vai, mais difícil é. 

Para tentar solucionar estes problemas. A U.S. National Science Foundation irá financiar o Ecotron com um valor total de US$ 19 milhões. O novo laboratório permitirá aos pesquisadores manipular uma série de fatores em colunas hermeticamente fechadas e controladas, incluindo temperatura, umidade e concentrações de dióxido de carbono (que influenciam o desgaste das rochas e a formação do solo). Eles serão capazes de simular a ressurgência das águas subterrâneas e talvez até mesmo os ciclos de congelamento e descongelamento que podem acelerar o desenvolvimento do solo. Também poderão acompanhar os organismos vivos presentes na coluna.

Renderização artística da instalação de Deep Soil Ecotron financiada pela NSF. Até 24 ecounits serão alojados na Universidade de Idaho, equipados com analisadores de última geração para quantificar o fluxo de gases do efeito estufa, a química da água do solo, o crescimento das raízes e a micro e mesofauna do solo. Imagem: Reprodução deepsoilecotron.org

Para Emma Aronson da Universidade da Califórnia, Riverside, um dos pontos chaves é a possibilidade de estudar como o carbono no solo pode responder às mudanças climáticas futuras, simulando condições de mudança com um grau de controle que nunca visto antes. Os proponentes do projeto acreditam que os solos profundos aqueçam com o aquecimento da Terra, e experimentos de campo sugerem que isso pode fazer com que o solo libere carbono na atmosfera 30% a 50% mais rápido do que hoje, afetando diretamente o ciclo de carbono.

O laboratório estará pronto em 5 anos e terá capacidade para 24 colunas de solo, incluindo a vegetação de cobertura. Uma empresa já está testando alternativas para a coleta em campo das colunas de até 3 metros, desafio significativo pois esta terá que ser a menos perturbada possível. Mesmo assim haverá perturbações, pois, raízes serão cortadas e porções inferiores do solo serão expostas na superfície. E claro, uma coluna em um laboratório não “funcionará” exatamente como um solo posicionado na paisagem. De qualquer forma os avanços científicos para o conhecimento do funcionamento do solo serão significativos.


Sobre o autor

Francisco Sergio Bernardes Ladeira

Graduou-se bacharel em Geografia pela Universidade Estadual Paulista – Júlio de Mesquita Filho (1989), mestre em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1995) e doutor em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é MS-3.2 da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Paleopedologia, Superfícies Geomorfológicas e Relação Solo-Relevo.


Texto: Francisco S. B. Ladeira

Edição: Diego F. T. Machado

Lateritas – múltiplas definições, múltiplos usos

por: Francisco Ladeira

Resultado da ação intensa do intemperismo, as lateritas são importantes indicadores de condições ambientais, com valor cultural agregado e um conceito mutante ao longo da história.


.

O termo laterita foi proposto por Buchanan em 1807, para identificar materiais, que na Índia, eram extraídos dos finais de vertentes, da parte inferior dos perfis de solos, que quando expostos ao sol tornavam-se extremamente duros e eram utilizados como material de construção (tijolos, vigas estruturais, base de rodovias e de estradas de ferro).

O uso do termo laterita foi se alterando ao longo do tempo, e chega mesmo a ser indicado que não seja usado, dado a diversidade de possibilidades de interpretações. Não é nosso objetivo aqui discutir esse e outros termos que surgiram ao longo do tempo, apesar de indicarmos abaixo diversos artigos que tiveram esse objetivo.

Usamos aqui também o termo ferricrete, em sua definição inicial, ou seja, qualquer material enriquecido em ferro em relação ao seu material de origem. Esse termo também já teve nova definição, para indicar concentrações ferruginosas decorrentes de acumulações absolutas de ferro. Isso exemplifica a complexidade do uso dos termos associados a estes materiais.

Francis Buchanan-Hamilton #
Possível aparência do Dr. Francis Buchanan, mais tarde Hamilton ou Hamilton-Buchanan. Cirurgião, agrimensor e botânico da Companhia das índias, publicou trabalhos sobre a geografia, a flora e a fauna da Índia, onde viveu e explorou desde o final do século 18 até 1815. Saiba mais! Foto: Reprodução Memim Encyclopedi

Resultado da ação intensa do intemperísmo!

De maneira geral Schellmann (1981) indica que estes materiais correspondem a “produtos de intensa alteração subaérea da rocha, cujo teor de ferro e/ou alumínio é maior e o de sílica é menor que a rocha parental. Estes consistem predominantemente de assembleias minerais de goethita, hematita, hidróxidos de alumínio, caulinita e quartzo”.

Estas características, apontadas por Schellmann, indicam que a ocorrência de lateritas estão associadas a climas quentes e úmidos, que ocorrem nas zonas intertropicais da Terra.

A zona de rubefação coincide com a área intertropical de formação de laterita (Tardy, 1993).

A intensidade dos processos de intemperismo químico nas zonas intertropicais é indicado por Stallard e Edmond (1983), Meybeck (1987) e Buss et al. (2017) que destacam que os trópicos recobrem cerca de 25% das terras emersas do planeta, entretanto, são responsáveis por cerca de 65% do fluxo de sílica dissolvida para os oceanos via processos de intemperismo químico.

Importantes indicadores da evolução da paisagem

Estes materiais só evoluem nestas condições, entretanto, atualmente ocorrem em diferentes regiões da Terra, como deserto do Saara ou porções da Sibéria. Desta forma, as lateritas são ótimos indicadores da deriva das placas tectônicas, pois estas lateritas se formaram em áreas tropicais e posteriormente a deriva das placas tectônicas teria posicionado estes materiais nestas regiões.

Essa possibilidade decorre do fato das lateritas serem, quando desidratadas, extremamente resistentes aos processos erosivos. Nas áreas tropicais, como no Brasil, vastas regiões possuem, nas áreas mais elevadas, espessos perfis de alteração com lateritas em seu topo.

No Brasil, diversas áreas elevadas topograficamente e com relevo plano a suave ondulado, apresentam como característica a ocorrência de lateritas nas bordas destas chapadas, que as ‘protegem’ dos processos erosivos, como no caso do Chapadão do Zagaia (MG). Foto: Acervo próprio

Apesar de serem encontradas nos topos de vertentes e escarpas, a laterita se forma nas áreas onde o lençol freático oscila durante muito tempo, ou seja, normalmente nas posições mais baixas do relevo.

As características de formação permitem utilizar as lateritas como importante indicador de condições paleotopográficas, paleoclimáticas, paleogeográficas e mais detalhadamente condições pedogenéticas.

A importância do fator tempo!

Quando as condições de formação se desenvolvem por longos períodos, em áreas tropicais úmidas, os perfis de alteração que recobrem as rochas frescas podem ser extremamente espessos, por vezes ultrapassando centenas de metros (Tricart, 1972; Scott e Pain, 2009) e são denominados de Perfis de Alteração Lateríticos ou apenas Perfis Lateríticos (BUT et al. 2009). Estes perfis de alteração normalmente estão associados a paleo-superfícies (BATTIAU- QUENEY, 1994).

Representação esquemática de um perfil laterítico coberto por um ferricrete (adaptado de Tardy, 1993)
Em cima – base do perfil laterítico afetando os depósitos da
Formação Marília; Em baixo – nível de mosqueamento posicionado acima dos sedimentos da Formação Marília. Fotos: Acervo próprio.

LATERITAS: Múltiplos usos…

As lateritas e perfis lateríticos e ferricretes foram utilizados como marcadores para correlações estratigráficas, para interpretações ambientais e paleoambientais, para análise da evolução geomorfológica, datações relativas de superfícies, indicadores de deriva continental, como marco para análises tectônicas, na produção de ouro, de ferro, de terras raras, do caulim, do níquel e como material de construção.

Pedreira de tijolos de Karaba (2009) - Autor: David Pace

Image 1 of 9

Esta é a pedreira de Karaba (Burkina Faso), onde os homens esculpem tijolos usando apenas picaretas de ferro de cabo curto. No quente sol equatorial, eles escavam o material que se tornará os blocos básicos de construção das casas e das paredes que estruturam as comunidades vizinhas.

LATERITAS: Múltiplas definições…

Diante do exposto, a laterita possui interesse para diferentes áreas de pesquisa de também econômicas, implicando que profissionais de diferentes áreas trabalharam com estes materiais. O resultado disso é que há uma grande diversidade de termos para nomear esta laterita, inclusive alguns termos possuem definições distintas em diferentes áreas do conhecimento e o mesmo termo foi alterando seu significado ao longo do tempo.

A título de exemplo há diversos trabalhos que discutem a questão relativa às diferenças terminológicas (THORP e BALDWIN, 1940; PENDLETON, 1941; PRESCOTT, 1954; SIVARAJASINGHAM et al., 1962; GERASIMOV e GLAZOVSKAYA, 1965; HAMMING, 1970; STEPHENS, 1971; PATON e WILLIAMS, 1972; HELGREN e BUTZER, 1977; SCHELLMANN, 1981, 1983; ALEVA, 1982, 1994; MILNES et al., 1985; OLLIER, 1988; TARDY E ROQUIN, 1992; TARDY, 1993; BOURMAN, 1993a, b; FIRMAN, 1994; YALLON, 1996; BOURMAN e OLLIER, 2002; AUGUSTIN, 2013; GHOSH e GUCHHAIT, 2020).

Na figura abaixo, é possível observar algumas das diferentes terminologias utilizadas. Assim a laterita de Buchanan passa a ter diferentes denominações, como ferricretes, duricrusts, couraças, cangas, entre outros. Por vezes estes termos aparecem na literatura como sinônimos, outras não, gerando grande confusão.

Comparação entre terminologias de um perfil laterítico com ferricrete Modificada de Anand & Paine (2002).

Ressalta-se que os pesquisadores que trabalham especificamente com pedologia também abordam esta temática, sendo que os solos desenvolvidos, associados aos materiais lateríticos, possuem importância agrícola, como no Brasil e, em solos quaternários, que podem também possuir um significado relevante na dinâmica geomorfológica mais recente. Em pedologia os termos plintita, petroplintita e a existência de um Horizonte F são aplicados no Sistema Brasileiro de Classificação de Solos.

Classificação dos ferricretes

No que se refere a classificação destes materiais, Bourman et al. (1987), Milnes et al. (1987) e Bourman (1993) propõem três tipos básicos de ferricrete (posteriormente o termo ferricrete foi definido com uma conotação genética, mas esta não existia para estes autores) com algumas subdivisões:

Rocha ferruginizada: rochas que apresentam impregnações ferruginosas, mas mantém suas estruturas perfeitamente identificáveis em campo. A forma mais comum é constituídas de mosqueados ferruginosos.

Sedimentos ferruginosos: ferricretes caracterizados por ampla variação de tipos de fábrica, que refletem a natureza do sedimento original. Por exemplo, no caso de sedimentos clásticos, o ferricrete apresenta abundantes grãos de areia ou clastos de quartzo e fragmentos de rocha. Quando cimentam clastos têm-se o ferricrete conglomerático. Se não existir qualquer estrutura interna será um ferricrete maciço.

Ferricretes complexos: possuem ampla diversidade de fábricas, identificando-se os seguintes tipos:


a) pisolítica: possuem grande quantidade de glébulas ferruginosas, dispersos no interior de uma matriz rica em óxidos de ferro;

b) “slaby” (laminar): formados dominantemente por placas ou lentes horizontais separadas por zonas ricas em argila;


c) vermiformes: formados por uma distribuição irregular de canais enriquecidos em ferro.


Coleção: Tipos de Ferricretes


O que influência na formação dos ferricretes?

No caso especifico dos ferricretes associados a perfis lateríticos, Thomas (1994) propõe oito fatores de formação determinantes.

1) fatores geológicos: qualquer tipo litológico pode originar os perfis lateríticos ferricretes. A composição mineralógica das rochas parentais pode influenciar fortemente na composição e nas características do perfil laterítico e ferricrete, mas os processos de intemperismo podem modificar significativamente estas características mineralógicas.

Alguns autores como Tardy et al. (1988) eTardy (1993) indicam uma influência gradativamente menor das características da rocha conforme maior o grau de evolução do perfil laterítico. Tardy et al. (1988) indicam uma tendência à homogeneização do perfil, em termos químicos e mineralógicos, independente do material de origem. A velocidade de formação dos perfis lateríticos pode variar conforme o tipo de rocha parental. Para o referido autor, as alterações sobre rochas máficas e ultramáficas podem chegar a uma velocidade três vezes maior do que sobre as de tipo félsicas.

2) fatores climáticos: fundamental para controlar a formação destes perfis. Tardy (1993) indica as seguintes características climáticas para sua formação: uma pluviosidade média anual de 1.450 mm; temperatura média anual de 28 oC; umidade relativa do ar média de 70% e uma estação seca com duração de 6 meses.

O tipo climático ideal de formação do ferricrete é aquele que corresponde às regiões de savana. Em direção à climas mais secos, ela não se forma com a disponibilidade de sílica no sistema, predominando solos com montmorillonita (LEPRUN, 1979) e também em climas muito úmidos sem estação seca, onde predominam a goethita e gibsita (BEAUVAIS e TARDY, 1993), entretanto, nestas condições ambientais mais úmidas é possível a destruição do ferricrete em certos pontos da paisagem e formação simultânea em outros.

3) Fatores bióticos: a ação da vegetação dependerá essencialmente do tipo de cobertura vegetal localizada sobre o ferricrete, através de sua ação na formação de ácidos e a ação mecânica de suas raízes. Esta ação pode definir morfologias de ferricretes. Segundo Tardy (1993), as termitas também podem possuir papel fundamental no processo de alteração do perfil laterítico e do ferricrete.

4) Fatores hidrológicos: os fatores hidrológicos são determinados pelo regime climático e pela interação com a litologia e o relevo. Esta combinação cria uma diversidade de ambientes locais com condições contrastantes para a mobilização ou precipitação do ferro e, especialmente, é fundamental a oscilação do lençol freático ao longo do ano.

5) Condições de Eh (potencial redox) e pH (potencial hidrogeniônico): o Eh torna o ferro mais móvel conforme seus valores aumentam e o pH diminui. Costa (1984) acrescenta que o pH nestes ambientes depende da atividade biológica superficial, das alterações mineralógicas desencadeadas e, como consequência, da composição química das águas percolantes.

Pequenas variações de pH e Eh na paisagem são responsáveis pela mobilidade ou precipitação do ferro, sendo essenciais para explicar, mesmo à curta distância, áreas com elevadas perdas e outras com elevadas concentrações de ferro. A figura abaixo apresenta as condições de Eh e pH para a formação das concentrações ferruginosas.

Limites dos domínios de Fe2+, Fe3+, Mn2+ e Mn4+. Fonte: Campy e Macaire (1989).

6) História geomorfológica e tectônica: a formação, evolução e destruição de ferricretes estão intimamente associadas à história da paisagem geomorfológica. As superfícies de aplainamento produziram ambientes extremamente favoráveis para seu desenvolvimento.

Deve-se destacar também que na literatura torna-se cada vez mais comum a associação da evolução de paisagens lateríticas com os processos de etchplanação (ZEESE, 1996). Também é comum indicar o ferricrete como responsável pela inversão do relevo, resultado de sua resistência aos processos intempéricos, conforme na figura ao lado.

7) fator tempo: o tempo necessário para o desenvolvimento de um espesso perfil de alteração passa, necessariamente dos 100.000 anos de duração (TARGULIAN E BRONNIKOVA, 2019). Nahon e Lappartient (1977) calcularam que um ferricrete de 0,5 a 1,0 metro de espessura requer 0,3 a 0,75 Ma. para sua individualização.

Sequência evolutiva apresentando inversão topográfica associada com a formação de duricrosta. Fonte: Summerfield (1991) e Pain et al. (2007)

Estes autores indicam que para a evolução de um perfil laterítico, sobre rochas vulcânicas, com a evolução de um manto de alteração caulinítico, individualização de um horizonte de acumulação de ferro e a evolução fisico-química da crosta ferruginosa, são necessários 6 Ma.

Na Amazônia brasileira, Oliveira e Schwab (1980) estimam um tempo mínimo de 2,8 Ma. para evolução de um perfil laterítico bem estruturado. Na literatura é possível fazer uma distinção entre os ferricretes associados a perfis lateríticos e outros que não apresentam a organização clássica nos diferentes níveis.

Figueiredo Filho et al. (2019) identificam, na região do Quadrilátero Ferrífero, espessos ferricretes associados a terraços fluviais de idade compreendida entre 140 e 83 ka. Destaca-se que nesta área há uma grande disponibilidade de ferro no sistema, por conta da presença comum de itabiritos. Desta forma, o ferricrete, per si, não é indicativo de uma evolução extremamente longa, mas ele associado a um espesso perfil laterítico sim.

8) Mudanças paleoambientais: ferricretes e perfis lateríticos ocorrem em diferentes latitudes e por conta disso podem ser utilizados como indicadores de paleolatitudes e de paleoambientes (ANNOVI et al. 1980; BARDOSSY, 1981; TARDY e ROQUIN, 1998; SCHMIDT et al., 1983; ZEESE, 1996; KUMAR, 1986; TARDY, 1993).

A literatura não apresenta uma origem única para o ferro que irá formar o ferricrete. Nitidamente, há um grupo de autores que indica um intemperismo essencialmente vertical e outro que indica a importância dos aportes laterais. Thomas (1994), após ampla revisão de literatura, identifica três possibilidades:

1) translocação vertical, através da qual o Fe2+ movimenta-se por algumas dezenas de metros, no sentido descendente, por movimento gravitacional da água subterrânea, ou ascendente por difusão iônica;

2) por transferência lateral de Fe2+ através da convergência de fluxo de água subterrânea para sítios de recepção, como vales e depressões;

3) retenção e acumulação nos horizontes superficiais (em forma de pisólitos ou nódulos) quando o perfil é rebaixado por intemperismo.

Beaudet e Coque (1994) indicam que na mesma paisagem pode-se observar diferentes gêneses de ferricrete, como a formação associada a formas residuais, também em glacis, onde há aporte lateral de ferro em solução, e eventualmente de forma mecânica na forma de clastos (figura abaixo).

É possível que um ferricrete esteja sendo alterado no topo e haja precipitação de ferro em sua base, conforme não só já observaram Tardy (1993), Moreau (1993) e Espíndola e Daniel (2008), mas também observaram os novos estudos de cronologia, que indicam a grande mobilidade de ferro no interior do ferricrete, observando-se várias gerações de solubilização e precipitação (SPIER et al., 2006).

Socle cristallin: embasamento cristalino; Altérite argileuse: alterita argilosa; Sable Limon
Argile
: Areia, silte, argila; (B): Ferricrete; (Gl): glacis de erosão com ferricrete (PI): plano silto-argiloso

Referências

David Pace Photography

Tenho fotografado no pequeno Burkina Faso, país da África Ocidental desde 2007. Nas minhas viagens anuais, moro na aldeia de Bereba, onde tenho documentado muitos aspectos da vida diária, incluindo a dança semanal (sexta à noite), o deslocamento noturno ( Sur La Route), moda local (Market Day), arquitetura tradicional (L’Ancien Village) e ocupações comuns (At Work). Outros projetos incluem a exploração da fabricação de tijolos (Karaba Brick Quarry), a mineração artesanal de ouro (Les Sites d’Or) e os quiosques de Ouagadougou, capital do Burkina Faso (Quiosques).


Sobre o autor

Francisco Sergio Bernardes Ladeira

Graduou-se bacharel em Geografia pela Universidade Estadual Paulista – Júlio de Mesquita Filho (1989), mestre em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1995) e doutor em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é MS-3.2 da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Paleopedologia, Superfícies Geomorfológicas e Relação Solo-Relevo.


Texto: Francisco S. B. Ladeira

Edição: Diego F. T. Machado


Publicações Acadêmicas do LABPED

Trancos e Barrancos – o ensino de solos nos ciclos básicos da educação formal

por:

Amandha Araujo; Bárbara Gumiero; Beatriz Foleis; Diego F.T. Machado –

Nas últimas décadas, observamos a consolidação de diversas ações em prol da difusão e popularização do ensino em solos voltadas aos ciclos básicos do ensino formal, todavia, essa estrada ainda não está completamente pavimentada e seguimos firmes, aos trancos, entre os barrancos!


O solo é um importante recurso para o planeta, sendo uma mistura de minerais, material orgânico, gases, líquidos e uma diversidade de micro e macro-organismos, assim compondo a pedosfera (Tassinari et al, 2017). É um corpo natural que demora um longo período para ser formado dependendo da ação de cinco fatores específicos, sendo eles: clima, relevo, organismos, material de origem e tempo.

A pedosfera, que aloja os solos, está em comunhão com a biosfera, composta por todos os seres vivos que habitam a Terra; a litosfera que é a parte solida do planeta; a hidrosfera que contém a toda água existente e a atmosfera, composta pela fração gasosa que envolve o todo, inclusive os chamados “espaços vazios” do solo. Walter F. Molina Jr – Adaptado de UNESCO (2007).

Os obstáculos

No Brasil, atualmente, o ensino de solos é pouco trabalhado no ensino básico, se voltando principalmente para o ensino superior. O obstáculo para tornar o ensino de solos mais efetivo nos ciclos básicos passa pela adequação dos materiais didáticos e uma mudança nos métodos atuais de ensino, visando o docente e sua formação.

Os livros didáticos e apostilas utilizados no ensino dos ciclos básicos apresentam pouco conteúdo sobre solos, em sua maioria voltados para agropecuária (Sousa, 2012) além de exibirem termos que são muitas vezes complexos e/ou defasados para o entendimento dos estudantes (como terra roxa e massapê). Vale ressaltar que não se espera extinguir regionalismos ou mesmo termos antigos que ainda são usados informalmente, todavia, sua correlação com as terminologias atuais é necessária.

Adaptações para uma comunicação mais efetiva

A linguagem para o ensino dos solos ainda é muito complexa e não é própria para o ensino básico. É necessário uma readaptação do vocabulário sobre o ensino de solos, de forma a chegar-se ao entendimento por parte do aluno, sem deixar de lado os termos técnicos que especificam sobre as ordens e subordens ou sobre as características dos solos. Deve-se portanto buscar, sem deixar de lado os rigores científicos, uma comunicação mais efetiva que pode se dar via analogias, ilustrações, e e diversos elementos lúdicos, por exemplo.

Exemplo de atividade lúdica aplicado ao ensino sobre as ordens de solos de acordo com o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS) – Jogo das ordens dos solos do Brasil – Projeto Solo na Escola UFCS

A efetivação das ações passa pelo tripé Pesquisa-Ensino-Extensão

É importante que centros de pesquisa e instituições relacionadas à ciência do solo, produzam e divulguem material didático acessível às escolas. De acordo com Prates (2010), observa-se uma escassez e até ausência do conteúdo sobre solos nos livros didáticos, na qual o professor se apoia completamente como referência para as práticas de ensino. É preciso fazer adaptações importantes para os professores e escolas visando suas condições e necessidades, buscando ainda, adequar a realidade local.

Reportagem apresentada na e-Paraná TV sobre a Exposição Didática de Solos do Programa Solo na Escola/UFPR.

O mal na raiz – defasagem no processo de formação dos professores

Há uma dificuldade por parte de alguns docentes quanto ao domínio deste tema, em casos os quais os mesmos não dispunham da disciplina de pedologia em sua grade curricular e/ou não tiveram acesso a formação continuada. Outro aspecto se dá pelo distanciamento entre o teor dos conteúdos e as formas de avalição nas IES e como levar isso para as salas de aula. Essa carência de atividades didáticas faz com que os professores exerçam métodos menos eficientes, por vezes menos dinâmicos,  limitando o processo de aprendizagem dos alunos.

A complexidade na abordagem de temas relacionados à pedosfera pode representar um desafio para os professores do Ensino Fundamental, dada a dificuldade de compreensão deste meio heterogêneo e ao mesmo tempo singular, especialmente no primeiro e segundo ciclos (Lima, 2005). Porém, Falconi (2004) destaca que os professores avaliam que a limitação em transmitir e ensinar o conteúdo solo pode não ser resultado da complexidade do assunto, mas da formação do docente, acentuada pela dificuldade em entender o conteúdo expresso nos livros didáticos. 

O papel das IES para a formação continuada de professores

Existe uma falta de atualização dos professores ao conteúdo mais recente, produzido principalmente nas universidades, e que não é levado para o ensino básico. O ensino continuado oferecido pelas universidades vem como uma alternativa para o ensino do solo ocorrer de melhor forma em sala de aula. Segundo Lima (2005), é necessário que as IES (Instituições do Ensino Superior) contribuam para melhorar o ensino de solos, qualificando a formação pedológica dos futuros professores, e propor atividades que auxiliem na melhoria da capacitação dos professores para compreender e ensinar sobre solos. 

Curso SNE - Programa Ponte-Solo na Escola
O curso oferecido pelo Programa Ponte-Solo na ESALQ-USP é uma de tantas iniciativas que visam fornecer atualizações voltadas ao ensino de solos.

Um esforço para atividades mais “ativas”

A forma tradicional de ensinar, onde o professor passa o conteúdo em uma lousa e os alunos copiam, tem ficado cada vez mais desatualizado. O estudo dos solos não é apenas teórico mas também prático, pedindo que as aulas também aconteçam de forma dinâmica, como por exemplo, explorando o solo em ambientes da escola ou do bairro, e quando isso não é possível, experimentos podem cumprir este papel. De acordo com Garcia et al (2016) deve-se tratar o ensino de maneira dinâmica e integrada, com novas metodologias, deixando o ensino fragmentado de lado. É necessário novas formas de abordar o ensino, fazendo com que o aluno entenda a totalidade mesmo estudando as partes.

Algumas considerações finais…

O solo é um importante recurso natural e deve ter maior destaque no ensino dadas suas múltiplas funções ecossistêmicas. Os livros didáticos precisam de uma reformulação, sua linguagem precisa ser atualizada levando em conta um vocabulário claro e objetivo, de acordo com seu referente grau de escolaridade. O conteúdo sobre solos produzido no ensino superior também deveria se estender para o ensino fundamental. Os professores devem se ater ao fato de que o ensino dos solos também é prático, e que atividades fora da sala de aula agregam para o aprendizado do estudante e para o maior entendimento sobre a importância dos solos. As universidades, Institutos de Agronomia e Institutos de Geociências poderiam desenvolver materiais para esses ciclos, assim como cartilhas e conteúdos relacionados, também podem ser desenvolvidos pelas escolas, com capacitação dos docentes, e um ensino continuado no assunto, fazendo com que o ensino de solos seja viável e acessível a todos os estudantes no ensino básico.


Bibliografia consultada

Falconi, S. 2004. Produção de material didático para o ensino de solos. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro-SP

Garcia, P. H. M.; Cavalcante, J. A. D.; Pereira, R. S.; Balieiro, A. B. 2016. O Ensino dos Solos: A Interdisciplinaridade na Sequência Didática. Revista Ensina: As diversas metodologias do ensino. UFMS, MS. v. 1, n. 1,  p. 9. Disponível em: <https://desafioonline.ufms.br/index.php/anacptl/article/view/1909> Acesso em 20/05/2021. 

Lima, M. R. de. 2005 O Solo No Ensino De Ciências No Nível Fundamental. Ciência e Educação, v.11, n.3, p.383- 395.

Prates, R. 2010  Análise das abordagens e discussões do conteúdo de pedologia nos livros didáticos de Geografia. Dissertação de Mestrado. Instituto de Agronomia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ. 85 p.

Sousa, H. F. T.; Matos, F. S. jul./ dez. 2012. O Ensino dos Solos no Ensino Médio: Desafios e Possibilidades na Perspectiva dos Docentes. GEOSABERES: Revista de Estudos Geoeducacionais,, Fortaleza, v. 3, n. 6, p. 71-78

Tassinari, D. ; Silva, S. H. G. ; Silva, E. ; Silva, E. A. ; Silva, B. M. 2017. Conhecendo a vida do solo: Volume 1. Editora UFLA, Minas Gerais. 32 p.

Molina Junior, Walter Francisco. Comportamento mecânico do solo em operações agrícolas [recurso
eletrônico] / Walter Francisco Molina Junior. – – Piracicaba : ESALQ/USP, 2017. 223 p. : il


Saiba mais

Experimentoteca de solos – Solos na Escola UFPR

Iniciativas de educação em Solos no Brasil – SBCS

Implantação de iniciativas em educação em solos – UFPR

Cinco cartilha para apoio didático no ensino sobre solos

Materiais didáticos – Projeto Solos na Escola – UFCG


Autoria: Amandha Araujo; Bárbara Gumiero; Beatriz Foleis; Diego F.T. Machado

Edição: Diego F. T. Machado

Este artigo foi realizado como parte das atividades previstas no projeto “Criação de uma Coleção de Macromonolitos de solos para o Instituto de Geociências da Unicamp” vinculadas ao programa Pibic Ensino Médio, coordenado pelo prof. Francisco S.B. Ladeira.


Visite o nosso canal no YouTube!

Geografia, solos e paisagem

por Diego Machado

Perguntamos a Dra. Grace B. Alves (UFBA) e ao Dr. José João Lelis (UFV) quais as contribuições da geografia para os estudos sobre os solos, e qual a importância em compreender as relações entre solo e paisagem?


MUITO MAIS DO QUE O CHÃO QUE PISAMOS…

GA – Nosso alimento depende dos solos, assim como uso dos solos, seja em ambiente rural ou urbano, o solo possui ainda função de filtro e armazenamento de água (é mais importante nas rochas sedimentares, mas passa pelos solos), serve para a produção de fibras das roupas que vestimos, pode servir de matéria prima para extração de ferro e alumínio, por exemplo, de material de construção e para fabricação de cerâmica, entre outras coisas, para ficarmos dentro das funções mais básicas. Todos estes exemplos só ressaltam a importância dos solos e seu conhecimento.


Funções do Solo
As funções do solo – disponível em http://www.fao.org/3/ax374pt/ax374pt.pdf

PEDOLOGIA E GEOGRAFIA – ENTRE ESCALAS E FENÔMENOS

JJ – O solo é agente síntese da paisagem e o melhor estratificador de ambientes, portanto a Geografia precisa integrar o solo em suas análises para melhor compreender a dinâmica espacial.

GA – Se pegarmos o exemplo de uma represa hidrelétrica construída em Tocantins que alagou uma extensa área de Plintossolos (solos que apresentam acumulação de ferro) e depois passou a apresentar processos erosivos com o surgimento generalizado de pipes, feições erosivas que formam verdadeiros túneis com grande retirada de material, o entendimento do funcionamento destes solos na paisagem teria servido para indicar que esse seria o curso normal da evolução das vertentes e dos processos erosivos, frente a modificação do nível de base em um solo que possui um funcionamento específico.


Pipies – “vazios tubulares ou passagens no solo que podem variar em tamanho de conduítes estreitos com apenas alguns milímetros de diâmetro a túneis com pelo menos muitos centímetros de diâmetro” Na figura – B. Piping com desabamento recente do teto no horizonte C; D. Piping com teto relativamente preservado. Fonte: Sousa e Correchel 2015

JJ – [do ponto de vista da ocupação das terras] por exemplo, não há como descrever e interpretar a ocupação do cerrado por monoculturas e avanço do desmatamento sobre a Amazônica sem considerar o solo como elemento chave.

JJ – Como estudar a desertificação de terras semiáridas no Brasil sem considerar a perda de qualidade do solo? Da mesma forma, não há como explicar a diversidade de fitofisionominas dentro dos domínios morfoclimáticos sem considerar a disponibilidade de água e nutrientes no solo.

JJ – Grande parte da população mais carente no Brasil depende essencialmente do solo para sua subsistência. Todavia, não temos resultados satisfatórios que mensuram o percentual de terras degradadas no Brasil. É papel da Geografia contribuir com esses estudos e encontrar soluções.

SOLOS & PAISAGEM… & PLANEJAMENTO TERRITORIAL & EDUCAÇÃO & […]

GA – Acredito que a Geografia tem muito a ganhar com o aprofundamento do conhecimento sobre os solos, para além das questões sobre evolução da paisagem, que são minhas preferidas. Os solos são importantíssimos para discutir planejamento urbano e territorial, não basta só identificar as classes de solos presentes e as características de relevo, é necessário ter o entendimento do funcionamento, entendimento que se torna possível inclusive através da compreensão da evolução da paisagem. É preciso ainda popularizar o conhecimento dos solos no ensino básico e em espaços não formais, nossa vida é muito dependente dos solos para só sabermos que eles possuem horizontes A, B e C, ou que se subdividem em classes.

GA – Acabo de finalizar a orientação do trabalho de Izis Santiago que traz algumas destas questões relacionando os solos com susceptibilidade ambiental e vulnerabilidade social, para discutir no ensino básico os deslizamentos e alagamentos em Salvador. Verificamos um interesse muito grande no assunto e foi possível fomentar esta discussão correlacionando diferentes elementos, sem fechar a discussão na Pedologia. Acho que esse é o nosso principal interesse na Rede, não queremos fechar a discussão somente na Pedologia, ou na Geografia Física, queremos discutir com profissionais de diferentes áreas, ver o que mais podemos aprender, como podemos cooperar e quais conhecimentos podemos fornecer neste processo.


Movimento de massa ocorrido na localidade do Barro Branco, Salvador – BA.
Fonte: Manu Dias/ Governo da Bahia/Divulgação.

SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DA GEOGRAFIA PARA OS ESTUDOS EM SOLOS

JJ – Em geral, geógrafxs possuem uma formação mais profunda em geomorfologia, arqueologia, geoprocessamento e até mesmo geologia do que outros profissionais que contribuem com a Pedologia. Isso nos confere um olhar diferenciado sobre a gênese do solo. Tais conhecimentos nos permitem entender como os processos pedogenéticos ocorrem em diferentes escalas do tempo e espaço, bem como avaliar a como os fatores de formação do solo interagem de forma diferente considerando essas escalas. Um dos exemplos práticos de como a Geografia pode contribuir com a Pedologia é no estudo de solos urbanos. Por tradição essa não é uma área de interesse da Agronomia e são escassos os estudos dessa temática no Brasil.

GA – Acredito que é mais fácil para profissionais de Geografia trabalharem em equipes multidisciplinares devido as características próprias da nossa formação, isso facilita fazer a ponte com outras áreas, mas isso também é observado em especialistas em solos formados em diferentes áreas, porque o entendimento dos solos também nos leva a interagir com diferentes campos da ciência. Neste contexto, a compreensão das relações entre solo e paisagem é importantíssima para o entendimento da evolução da própria paisagem, para o planejamento territorial e para projeções futuras, frente as alterações climáticas que estamos observando.

LP – Atualmente, estamos passando por um período de retomada dos estudos relacionados a geografia dos solos. Neste contexto, no Brasil, quais as contribuições da geografia para os estudos sobre a distribuição espacial dos solos na paisagem?

GA – Não sei se Geografia dos Solos dá conta de explicar tudo o que tem sido feito no Brasil, em termos de estudos de solo e paisagem. Quando comparamos os trabalhos realizados no exterior com os daqui, é possível perceber que os nossos se mostram mais amplos e com uma discussão evolutiva mais destacada, não restringindo à distribuição dos solos, ou mesmo o seu funcionamento, dependendo a definição de Geografia dos solos adotada, acho que isso ficou bem evidente dentro das apresentações das “Trajetórias dos solos à paisagem” (TSP).

Então, há muitas coisas a serem consideradas para responder sobre a Geografia dos solos. Diante do que temos discutido e levantado, acredito que no Brasil ultrapassamos e não delimitamos nossas discussões ao que é entendido como Geografia dos Solos, embora essa área tenha ganhado certo destaque nas últimas décadas, o que é feito no Brasil tem um foco maior nas características de relevo, podemos até retomar as colocações de Volkoff (1984), de que no Brasil o clima não é suficiente para entender a distribuição dos solos, é preciso considerar a evolução do relevo, que por vezes pode até ressaltar o papel da litologia ao revelá-la pelos processos de denudação.

Assim, me parece que as relações expostas através da observação dos solos na paisagem, indicam que o seu entendimento não pode ser separado da compreensão da evolução do relevo e até mesmo dos grandes conjuntos de vegetação, como exposto para as paisagens sertanejas (Alves, 2019), compreendendo inclusive que durante o tempo geológico todos os elementos da paisagem se diferenciaram, impulsionados sobretudo pelo clima existente. Dessa forma, não dá para entender os solos com base apenas nos processos e elementos da paisagem atuais.

No segundo semestre do ano passados várias pessoas do núcleo inicial [da Rede de Estudos Avançados sobre Solo e Relevo – SOPA] participaram da disciplina “Solos e Paisagem: Escalas, Relações e Métodos de Estudo” ofertada pela professora Selma Simões de Castro, na pós-graduação em Solos e nutrição de plantas, da ESALQ-USP. Passamos o semestre discutindo o assunto na disciplina e nas lives TSP. Desta disciplina construímos um artigo que discute Topossequências e Catenas, juntando Fábio, Valdomiro e Eu, e juntamente com as contribuições da professora Selma, deveremos enviar para publicação em breve. Motivados por esta discussão e por convite da professora Selma, Fábio e eu participamos de uma discussão sobre Geografia dos Solos e Solo e Paisagem, numa publicação* que deverá sair em breve, e que trará uma contribuição mais detalhada do que estou pincelando aqui. 

*CASTRO, S.S.;  ALVES, G.B.; OLIVEIRA, F.S. 2021. Solo e Paisagem: principais abordagens no estudo das interrelações.  In: Perez Filho et al. Geografia: teorias, métodos e aplicações na perspectiva ambiental. Geografia IGEO/UNICAMP, Ed. Consequência. (Cap.no prelo).


SAIBA MAIS – TSP Ep.1 – Solo e Paisagem da Geografia do Solo à Pedogeomorfologia


Edição: Diego F. T. Machado

Foto da Capa: Divulgação projeto Radam Brasil


JÁ CONHECE NOSSO CANAL NO YOUTUBE?